Por que vale a pena levar uma vida menos conectada?

 
Você já parou para pensar se a sua relação com o celular se tornou um vício? Para começar, pode fazer um teste muito simples: basta se perguntar se você seria capaz de ir sem ele a uma padaria na esquina. Se a resposta é não, ou se você sente que isso iria te causar certa ansiedade, talvez seja a hora de mudar alguns hábitos.
 
Ter sempre um celular às mãos pode ter várias vantagens. Afinal, ele serve como fonte de informação e entretenimento e também te conecta às pessoas. O problema é que o excesso dele vêm se tornando cada vez mais comum e, em casos mais graves, pode até desencadear um transtorno: a nomofobia, do inglês “no mobile phobia” (medo de ficar sem o celular). 
 
Além do próprio vício envolvendo o aparelho, o tipo de uso que se faz dele também não escapa de poder ser nocivo. Segundo um estudo realizado pela Escola de Medicina da Universidade de Pittsburgh, nos EUA, pessoas que passam uma grande parte do tempo nas redes sociais têm quase três vezes mais chances de sofrer de depressão do que quem as acessa com menos frequência. Outro estudo, desenvolvido por duas universidades alemãs, concluiu que uma em cada três pessoas se sente mal e mais insatisfeita depois de visitar o Facebook – o que pode ser explicado pelo sentimento de inveja ao se deparar com as vidas aparentemente melhores dos amigos na rede.
 
Enquanto isso, outras evidências mostram o quanto quem tem outros hábitos tem a ganhar. Segundo uma pesquisa da Universidade de Michigan, nos EUA, pessoas que priorizam o contato “olho a olho” tendem a ter capacidade cognitiva melhor do que aqueles que têm mais contatos virtuais. Outra pesquisa, realizada pela Universidade Notre Dame, revelou que nossa lembrança é melhor se aprendemos algo logo antes de dormir – ou seja, vale a pena deixar o celular de lado e levar um livro para a cama.
 
Mas pode ficar calmo: para ter uma rotina mais saudável, você não precisa ir correndo excluir as suas contas nas redes sociais e nem mesmo banir totalmente o celular. Um bom começo pode ser prestar mais atenção em quanto tempo você gasta com eles e em que momento mais os utiliza. Assim, poderá ter uma ideia de como poderia ocupar melhor esse tempo – seja seguindo um hobby, focando mais no seu trabalho ou mesmo tomando um café com aquele amigo de quem você sempre curte as postagens, mas nunca marca um encontro. O que pode ser um esforço no início, provavelmente se tornará mais prazeroso com o tempo. Experimente!
 
Veja mais 
Quer tentar mudar os seus hábitos, mas não sabe por onde começar? No vídeo abaixo, a coach Elen Lisboa explica como é possível encontrar maneiras de se motivar para concretizar metas que parecem difíceis de alcançar.
 

Leia também

Como – e por que – parar de reclamar demais

Além de não promoverem resultados, reclamações em excesso podem fazer mal à saúde.

Mindful Eating: os benefícios de ter uma melhor relação com a comida

Entenda o que é e como funciona essa modalidade do Mindfulness com foco na alimentação.

Três curiosidades sobre a Constelação Familiar

Conheça melhor essa técnica que busca entender a origem de conflitos por meio das heranças familiares.

RECEBA NOSSAS NEWSLETTERS
×

Não vá embora ainda!

Antes de sair, olha o que preparamos com muito carinho pra você! :)

Como definir prioridades e alcançar objetivos
eBook
+ Planner mensal
+ Planner semanal