Como – e por que – parar de reclamar demais

Você já teve a impressão de que está sempre reclamando? Embora desabafar e compartilhar frustrações seja normal e, inclusive, faça bem em alguns momentos, o hábito de reclamar sobre tudo o tempo todo pode até mesmo fazer mal para a saúde.

Segundo o cientista e pesquisador Steve Parton, reclamações em excesso podem ter consequências como o aumento da pressão arterial, o enfraquecimento do sistema imunológico e até mesmo dificuldades de aprendizado e problemas de memória. Além disso, pessoas “reclamonas” tendem a condicionar o cérebro a ter cada vez mais pensamentos negativos.

Outro estudo, realizado na Universidade de Stanford, mostra que 30 minutos de negatividade por dia podem ser suficientes para provocar lesões no cérebro, danificar a memória e afetar funções cognitivas.

Um pouco de otimismo, por outro lado, pode trazer vários benefícios. Segundo uma pesquisa da Universidade de Illinois, pessoas otimistas têm o dobro de chance de ter um coração saudável. Mudar esse hábito, portanto, só tem benefícios a trazer. Embora a mudança possa não ser fácil no início, criar novos hábitos para eliminar os antigos pode ser um ótimo começo. Veja algumas dicas:

1. Identifique as causas das suas reclamações

São as atitudes de um amigo ou familiar? Ou algumas insatisfações no trabalho? Sejam quais forem as origens do problema, ser capaz de identificá-las é muito importante para começar a mudar. Assim, você será capaz de ver se o que está de incomodando pode ser resolvido ou mudado por você. Se não for...

2. Aprenda a lidar com o que não está sob seu controle

Muitas vezes, ficamos ansiosos ou irritados com situações que estão fora de nosso controle. Nesses casos, em geral, há apenas duas saídas: aceitar a realidade ou cortar o problema pela raiz. Se seu trabalho é sempre uma fonte de stress e reclamação, por exemplo, talvez valha a pena considerar a possibilidade de procurar por um novo. Se, por outro lado, isso não for possível, pense quais problemas podem ser solucionados por você e que atitudes podem ser tomadas para minimizar as frustrações com os demais.

3. Peça ajuda

Muitas vezes, ficamos tão ocupados resmungando sobre os problemas que nos esquecemos que, às vezes, podemos simplesmente pedir ajuda para pensar em soluções ou para resolvê-los. Embora possa parecer a mesma coisa, essas duas atitudes são bem diferentes: em vez de colocar a pessoa como mera ouvinte, você dará a ela a chance de se posicionar sobre o assunto, criando um laço de confiança que pode trazer ótimos frutos.

Leia mais:

Administre suas emoções com a inteligência emocional

 Pensamento positivo e autoconfiança 

Leia também

“O Judiciário abraçou de uma forma carinhosa a Constelação Familiar porque viu os grandes resultados desta técnica”, diz terapeuta

A especialista Dalva Umbelina fala sobre a importância das terapias alternativas, como elas são trabalhadas durante uma sessão e em quais pacientes elas devem ser aplicadas.

4 mitos e verdades sobre o Tarô Sistêmico

Esclareça as principais dúvidas sobre esta técnica de orientação e aconselhamento.

Existe cunho religioso nas terapias e técnicas complementares de desenvolvimento humano?

A coach Elen Lisboa responde dúvidas sobre os conceitos e focos por trás de algumas das principais técnicas terapêuticas.

RECEBA NOSSAS NEWSLETTERS
×

Não vá embora ainda!

Antes de sair, olha o que preparamos com muito carinho pra você! :)

Como definir prioridades e alcançar objetivos
eBook
+ Planner mensal
+ Planner semanal